quarta-feira, 4 de abril de 2012

RESPEITE AS DIFERENÇAS

Conta-se que vários bichos decidiram fundar uma escola. Reuniram-se e começaram a escolher as disciplinas. O pássaro insistiu para que o vôo entrasse. O peixe, para que o nado fizesse parte do currículo também. A toupeira achou que cavar buracos era fundamental. O coelho queria de qualquer jeito a corrida.
E assim foi...
Incluíram tudo, mas cometeram um grande erro. Insistiram para que todos os bichos praticassem todas as disciplinas. O coelho foi magnífico na corrida, ninguém corria como ele. Mas queriam ensiná-lo a voar. Colocaram-no numa árvore e disseram: - Voa, coelho! Ele saltou lá de cima e quebrou as pernas. Não aprendeu a voar e acabou sem poder correr também. O pássaro voava como nenhum outro, mas o obrigaram a cavar buracos como uma toupeira. Quebrou o bico e as asas, e depois não conseguia voar tão bem, nem cavar buracos.
Moral da história:
Todos nós somos diferentes. Cada um tem uma coisa de bom. Não podemos forçar os outros a serem parecidos conosco. Desta forma, acabaremos fazendo com que eles sofram, e no final, não serão nem o que nós queríamos, nem o que eles eram em sua essência.
(Autor desconhecido)

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

DIVERSIDADE HUMANA NA ESCOLA BRASILEIRA

Incluir no Projeto Político Pedagógico (PPP) da escola, eixos norteadores de atendimento a diversidade existente no cotidiano da escola através:
* intensificação de reflexões com relação à diversidade humana;
* socialização dos trabalhos desenvolvidos pelas Unidades Escolares.

Propor algumas estratégias que poderão contribuir ou auxiliar na implantação da Lei 11.645/08:
* construir materiais pedagógicos e curriculares contra-hegemônicos;
* incorporar uma concepção de educação humanizadora com base na desconstrução de conteúdos e práticas racistas;
* divulgar experiências bem sucedidas de educadores e educandos promovam a igualdade racial no ambiente escolar;
* ultrapassar o limite de ações pontuais para fazer com que, no cotidiano das escolas, as políticas de promoção de igualdade racial façam parte do currículo, dos processos de formação e da construção do PPP escolar;
* participar/promover Programas de Formação inicial e permanente na Unidade Escolar.

LEI Nº 11.645, DE 10 MARÇO DE 2008.

Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, modificada pela Lei no 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Art. 1o O art. 26-A da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, passa a vigorar com a seguinte redação:

Art. 26-A. Nos estabelecimentos de ensino fundamental e de ensino médio, públicos e privados, torna-se obrigatório o estudo da história e cultura afro-brasileira e indígena.

§ 1o O conteúdo programático a que se refere este artigo incluirá diversos aspectos da história e da cultura que caracterizam a formação da população brasileira, a partir desses dois grupos étnicos, tais como o estudo da história da África e dos africanos, a luta dos negros e dos povos indígenas no Brasil, a cultura negra e indígena brasileira e o negro e o índio na formação da sociedade nacional, resgatando as suas contribuições nas áreas social, econômica e política, pertinentes à história do Brasil.

§ 2o Os conteúdos referentes à história e cultura afro-brasileira e dos povos indígenas brasileiros serão ministrados no âmbito de todo o currículo escolar, em especial nas áreas de educação artística e de literatura e história brasileiras.” (NR)

Art. 2o Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

Brasília, 10 de março de 2008; 187o da Independência e 120o da República.

LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA
Fernando Haddad


O QUE É DIÁSPORA?

DIÁSPORA - Dispersão de povo(s) em virtude de perseguição de grupo(s) intolerante(s).

domingo, 8 de janeiro de 2012

"O destino não é uma questão de chance, é uma questão de escolha: não é algo que se guarde, é algo a ser atingido." (William Jennings Bryan)